Viagem pelo Rio Amazonas, Manaus – Parintins

DSC_2533Bom, em primeiro lugar, como chegar lá? Quando você estiver em Manaus, a capital do estado do Amazonas, existem duas maneiras de se chegar a Parintins: de avião, uma viagem de ​uma​ hora, ou pelo rio Amazonas, 18 horas para chegar lá e 24 horas ou mais para voltar em um barco típico da região, um Gaiola.​ É só escolher.​

Parintins tem um grande festival todos os anos ​de 28 ​a 30 de junho​. ​Mais de cinquenta mil pessoas de todo o país e ​do estrangeiro participam da festa.  Além do Festival d​o Boi, Parintins é um lugar agradável para ​se visitar durante todo o ano.  Por outro lado, ​se tudo que você quer é experimentar o Rio Amazonas, você pode ir de Gaiola para Itacoatiara, que está mais próxima de Manaus e ​será menos cansativ​o para chegar.  Este passeio de barco​ vai ser lento e longo.

Os rios são os principais meios de transporte nesta região do Brasil. As cidades crescem e se desenvolvem ​às suas margens.  Claro, aventureiro, escolhi o rio ​e a viagem para Parintins. A idéia era ver mais da floresta tropical e talvez, com sorte, animais também. Além disto, tereia mais tempo para aprender mais sobre os “amazonenses” de outras cidades. 

porto seca
Porto de Manaus na seca, quando está cheio encosta lá no muro e chega a cobrir metade das escadas.

Nas docas, em Manaus, carga​s e passageiros ​são preparados para a viagem. Normalmente estas embarcações fica​m em Manaus por​ 1, 2 ou até 3 dias, porque este é o lugar onde todas as pessoas das cidades menores, espalhados ao longo das vias fluviais do Amazonas e ​seus afluentes, ve​m ​para vender os seus ​artefatos, colheitas e peixes. Eles, por sua vez​, compra​m roupas, mantimentos, sementes, gás, combustível, materiais de construção, etc. Os barcos ​levam em média de 170​ a 300 passageiros, além de muitas toneladas de carga.

No barco, cada um traz uma rede. Há lugares para você pendurá-las e desfrutar senhorade sua viagem em relativo conforto. ​Confesso que não ​fiquei à vontade ​na minha primeira vez. Na viagem de Manaus a Parintins ​não preguei os olho. Não é tão fácil dormir em uma rede quando você não está acostumado. Mas no caminho de volta estava tão cansado, ​que cai no sono, pelo menos por um par de horas. Fiz um bate e volta.

A​ntes ​de tudo verifiquei que tipo de rede de ​as pessoas ​estavam ​usado. Então, em uma das muitas lojas perto do porto, comprei ​a minha, nem melhor nem pior. (Tenho a minha até hoje.) Em seguida, paguei pelo m​inha ​passagem e pass​ei a escolher um lugar para ​me pendurar​, pendurar a rede. Parece simples, certo? Não há muito ​o que escolher, mas se acontecer de você ​chegar atrasado, a maioria dos passageiros já estar​á a bordo – uma massa de pessoas que ​se ​encontra lado a lado e às vezes até em cima uns dos outros.

redes no barcoredesNa foto ao lado, v​e​ja​ a mulher​ na rede vermelha. ​Ela está ao lado de duas outras redes​, muito próximas. As pessoas na foto não são parentes; eles simplesmente ​se conhecer​am alí, naquele momento. ​Nós brasileiros ​falamos em geral a uma distância mais p​róxima uns dos outros do que britânicos ou americanos, por exemplo. ​Para nós isso não é nenhum desrespeito ou intrusão. É simplesmente nossa maneira​ ser.​ Por lá essa distância é ainda menor.​

Durante a viagem, de ​duas a ​três refeições são servidas: jantar, café da manhã, almoço e, se o barco está atrasado, outra refeição antes da chegada. A qualidade dos alimentos varia de barco para barco. ​Na via​gem para Parintins no Gaiola “Cidade de Alenquer” a comida e sua preparação foi ​excelente. (No caminho de volta ​já não tive tanta sorte.) No primeiro dia, antes do jantar, estava interessado apenas nos rios, ​n​a paisagem e coisas assim. Na primeira refeição, ​o jantar, comecei a aprender mais sobre as ​belas ​pessoas dos estados do Amazonas e do Pará.

As refeições são servidas em um ​espaço ​pequeno ​onde cabem 12​/14​ ​pessoas ​de cada vez. (Há barcos maiores como o do vídeo no final deste texto: o Comandante Severino Ferreira). No Cidade de Alenquer, com ​cerca 170 pessoas a bordo,  uma mesa no primeiro pavimento e outra – ​do mesmo tamanho – no segundo convés, ​calculei +/- 85 pessoas por mesa, certo?  E gora​, todo mundo está com fome? O barco ​partiu com três horas de atraso, o motor​ na dele: po, po, po, po, pop pop…  Eu pensei ​comigo, isso vai ser uma bagunça… Estava errado, muito errado. ​Me apaixonei por essas pessoas simples, calmas, limpas e pacíficas. 

refeicao a bordoDe volta a mesa, o sinal tocou e de uma forma ordenada, sem muito controle externo, eles foram para a mesa. Há a comida foi ​servida​ em ​travessas médias e eles ​servido u​ns aos outro​s, sem pressa e de forma tão agradável. Tomei parte na segunda rodada. ​Um ou outro repetiu. Notei então que ninguém estava olhando ou comparando, ficando ​com mais  ou menos;  eles estavam à vontade. ​ São pessoas muito simples. Não faltam boas maneiras, um coração muito bom e se relacionar muito bem uns com os outros. Gostei mesmo do que vi.

lavatoriosDurante a viagem, alguns ​tomaram até quatro ​banhos. ​Toalha em uma mão​, o sabão e ​uma muda de roupa na outra, lá ai o “Zé” outra vez… E quando voltam​, seja o “Zé” ou a “Chica”, gastam até 30 minutos ​se penteando, escova​ndo os dentes, etc – uma volúpia forte e bonita.

​A história conta que quando os europeus chegaram ao Brasil ​ficaram ​espantado​s​ ​com​ a nudez e os hábitos de banho​ e  aceio dos nativos​.  Bom, isso ainda é verdade.  Pelo menos a coisa banho, às vezes, ambos. Eu lá me senti um porcão com meus míseros dois banhos por dia. 🙂 

A noite chegou. Logo, algumas das redes estavam vazi​as, enquanto outr​as ​sustentavam mais peso … ​Opa​, o amor no barco era ​óbvio. Mas o que ​achei engraçado foi não ouvir som​ algum. ​Perto desta turma mineiro faz muito barulho. No terceiro pavimento, o nível superior do barco, onde há um bar, a​lgumas​ pessoas​ dançavam, bebiam cerveja ​e conversavam. ​Foi bom. Famílias inteiras, crianças, idosos, todos ​se divertiam. Nem todo mundo a bordo estava lá, claro. Alguns descer​am para dormir ou simplesmente relaxar. Mais tarde, em profundo silêncio, todos nós dormimos. Bem, a maioria de nós. Eles ​sabem se divertir.

águas
Encontro das águas – Solimões e Negro

A confluência dos rios​.

A viagem começou em Manaus no rio Negro. Trinta minutos depois o rio Negro e​ ​o rio Solimões colidem e ​nasce o Rio Amazonas. O Rio Solimões é avermelhado com lama, o Rio Negro, como o nome sugere, tem águas negras, e os dois não se misturam depois do encontro das águas por muitos quilômetros. Assim, ​de um lado do barco que você tem água vermelha e, ​do outro pret​a – uma cena​ naturalmente sureal​.

pordosolÉ fantástico. A Amazônia é grande – em alguns lugares o Rio ​tem ​mais de seis quilômetros de largura. Desce​r o rio para Parintins, ou mesmo só até Itacoatiara, é mais rápido porque você está viajando no meio ​do rio com ​a correnteza forte. No caminho de volta, os barcos viajam muito perto das margens, ​desenhando cada curva, então você pode adicionar de 6 a 10 horas ​à sua viagem. ​Se o capitão ​tentasse ir pelo meio, a corrente é tão forte, o barco praticamente ​não  sairia do lugar.

ligados na rede
Na rede duas vezes. 🙂

Infelizmente, ​da fauna, vi apenas o salto de ​um ​peixe no rio e algumas aves. ​O​ Rio Amaz​on​as é uma estrada para barcos de todos os tamanhos que vão ​para acima e para baixo​ o tempo todo, imagina, é como uma Rod. Bandeirantes de água. De acordo com alguns dos meus companheiros de viagem, os animais​ só podem ser vistos n​os afluentes​, longe dos principais rios​,​ por causa do movimento dos barcos.

Itacoatiara – Porto

itaquatiaraHá muitas cidades nas margens de rios, como Itacoatiara. ​Já foi um lugarejo, hoje Itacoatiara é um porto importante através do qual madeira e muitos produtos são exportados para a Europa, EUA, Ásia, etc. Há uma estrada entre Itacoatiara e Manaus.​ (Roraima exporta seus grão por lá também.​) Pelo rio, você pode levar de oito a dez horas​ para chegar a Manaus​; por estrada, ​vão ser apenas três.  ​(Dica: Você pode deixar Manaus de barco na parte da manhã, desfrutar da viagem​, experimentar o rio e mais tarde voltar de táxi ou ônibus.)

Às margens dos rios lugarejos nascem todos os dias. Hoje em dia esses lugares não estão surgindo sem cuidados. A consciência ecológica cresce também. Existem programas executados pelo governo do estado do Amazonas para ajudar essas povoados a se desenvolver com mais planejamento. O desenvolvimento sustentável é o nome do jogo e é a chave para preservar a floresta e as pessoas que lá vivem. Os brasileiros do Amazonas sabem disso e estão dispostos a cumprir a tarefa – para cuidar de nossa part​e ​da Amaz​ônia.

No entanto, devo admitir que há muita coisa que precisa ser feit​a. ​De volta a história da viagem, o tempo todo estive preocupado com um pedaço de plástico que tinha em meu bolso. Pensei, ‘tenha cuidado com o seu lixo!” No início da manhã, estava no deck superior ​curtindo o ar puro, apreciando a paisagem, à vontade. Na noite anterior, tinha colocado o meu lixo no lugar certo​: ​a lata de lixo​. De repente, para minha surpresa vejo dois sacos ​enormes de lixo passarem​ pelo barco.  Será que alguém da equipe ​aqui​ jog​ou?​! Mediatamente desc​i as escadas e viu a lata de lixo com sacos novos. ​Fiquei bravo. Tão ​bravo que decidi que não era um bom momento para ir falar com a tripulação. ​E, também, como poderia afirmar que eram do nosso barco? Não podia. Depois escrevi às autoridades portuárias. Eles ​responderam que ensinam e que existem regulamentos​ e multas​, mas as pessoas são difíceis de mudar. ​ Foi o único se não desta viagem.​

vendedoras fiamA viagem que descrevi acima foi feita em 2010, agora em 2015 estive em Manaus para a FIAM, a Feira Internacional da Amazônia. Um show tanto na parte das industrias do polo de Manaus quanto da parte de agro negócios e artesanato. No pavilhão Amazônico o ar que se respira é empreendedorismo, mas as palavras de ordem são preservar e conservar. Tudo é feito com materiais certificados, extrativismo sustentável e assim por diante. ​ as coisas estão mudando.

O rio Amazonas é tão surpreendente. Recomendo que você faça esta viagem para ver por si mesmo.

Divirta-se!

na popa do barco

rio mar
Encontro das Águas

Prof. Antonio Carlos Rix

BLOG
Youtube
H2OBRASIL
Escola Internacional

 

 

Veja essa dica:

Passeio do encontro das águas:

”

Advertisements

Published by

Carlos Rix

My name is Carlos Rix, I am in Brazil. This blog is a nice place to meet people, make friends, express myself, etc. I like Citizen Journalism. I am in Brazil now, but i have traveled around too. Places like Argentina, Paraguay, Bolivia, United States, Korea... there are many other places I would like to know... life is really nice, all I do is to give it a chance. I would like to visit Aquaba in Jordam, Lebanon, Italy, Spain and Portugal.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

w

Connecting to %s