Babosa na alimentação

aloeveraAloe significa substância amarga. Aloe vera, a nossa Babosa, é uma planta incrível. Conhecida desde os tempos mais remotos por seu poder curativo. É muito boa para usar em suavizantes (cremos), para lubrificação interna, a saúde da pele, fortalecer as unhas e manter os cabelos brilhantes. A planta também é indicada ainda para queimaduras solares ou picadas de insetos, a babosa aliviar a dor. Você pode babosa em receitas de alimentos crus, sucos, etc.

Primeiro é preciso saber como escolher e retirar o gel das folhas:

  • Escolha sempre plantas com pelo menos três anos de vida, elas tem os princípios ativos mais fortes.
  • Observe as folhas, dê preferência para as que são mais planas (menos côncavas no lado de dentro), quanto mais plana a folha menos amarga será.

Descasque com cuidado!

Remova as laterais espinhosas, e depois com uma faca afiada, ou um descascador, retire as cascas e depois o gel. (Cuidado!)

A partir deste ponto é possível fazer vários usos:

  • bater no liquidificador, peneirar e usar em sucos diversos
  • picar em gomos para fazer sobremesas como gelatina, etc
  • bater no liquidificador e usar como creme na pele, nos cabelos e como emplastro

Com babosa o céu é o limite! Mas lembre-se, tudo tem contra indicações! Quer seja pelo exagero do consumo ou pelos efeitos dos princípios ativos. Evite tomar a babosa durante a gravidez,menstruação, ou se você tem hemorroidas ou degeneração do fígado e vesícula biliar.. Aloe vera pode provocar vômitos e se transformar num purgativo drástico, sendo totalmente desaconselhável seu uso em crianças, onde os efeitos colaterais podem ser potencializados. Mais uma vez o consumo da babosa não deve ser indiscriminado!

Existem muitas receitas na internet, escolha as mais recomendadas.

Boa pratica
com qualquer herva
é experimentar doses pequenas, para ver como seu organismo reage.

….
Em miudos:

NOME CIENTÍFICO: Aloe vera.
NOME POPULAR: Babosa.
PARTE UTILIZADA: Da folha faz-se suco, concentrado e seco. Para cuidar da beleza, usa-se a casca para a fabricação de loções e cremes.
SABOR: Amargo.
PROPRIEDADES: Laxativa, emoliente, digestiva, anti-hipertensiva, hepática, cicatrizante e antiinflamatória.
PRINCÍPIOS ATIVOS: Glicosídios antraquinônicos (em especial a aloína), mucilagem e tanino.
INDICAÇÕES: Em forma de chá é usada como laxante, para melhorar a digestão e combater sintomas nervosismo, dor de cabeça, olhos vermelhos e gosto amargo na boca.
HÁBITAT: É originária das regiões quentes da América, do Sul da Europa e da África. Encontrada em locais altos e terreno seco. É uma planta de crescimento lento, freqüente nos cerrados.
OBSERVAÇÕES: As sementes são tóxicas. É desaconselhado o uso da planta em crianças.
Fonte: As fórmulas mágicas das plantas, de Alex Spyros Botsaris, (Editora Nova Era)

​​​Cabelos (Bem Estar)​​

—————
—————————–

Emagrecer com saúde – http://123shake.com

Purificar água – http://h2obrasil.com

 

Advertisements

Música, um santo remédio

Minha amiga Julia Tygel agora está lá na Big Apple (NY) para estudar mais música e também compartilhar sua arte. Tenho acompanhado sua carreira desde que a conheci tocando ao Vivo na CPFL, no Café Filosófico, estava ela e Adriana Holtz que a acompanhou ao violoncelo. A CPFL Campinas promove muitos projetos culturais deste tipo. Um deles é o “Sarau Cultural no Café”, um espaço para novos artistas apresentarem suas obras. Um “point cult” da cidade de Campinas, imperdível.

Segundo os especialistas a segunda metade da década de 1960 no Brasil foi marcada por inúmeros festivais de música. Nasceu a MPB (Música Popular Brasileira). Foi também nesta década que o estrelato de artistas que começaram a aparecer entre os grandes nomes da nova onda brasileira – a MPB – foram conhecidos pela primeira vez. Nomes como Edu Lobo, Chico Buarque, Elis Regina, Milton Nascimento, Gilberto Gil, entre muitos outros.

O fato é que não é com frequência que você vai ver os dois, MPB e Música Clássica, lado a lado, de mãos dadas… Quando isso acontece vale a pena prestar atenção. Isso é exatamente o que faz Julia Tygel, pianista clássica e compositora, no seu show “Entremeados” e no CD do mesmo nome.

Ousa Entremeados na Radio UOL “Entremeados” apresenta o entrelaçamento de música clássica e MPB.  Júlia Tygel fez isso depois de extensa pesquisa e anos de trabalho árduo. No seu trabalho, ela re-interpreta alguns épicos da MPB de maneira sublime – clássicos da MPB num formato clássico.

Tive oportunidade, durante alguns ensaios, de me sentar e ouvir essa música e fiquei impressionado com o quão bem me fez sentir. Realmente pensei: “Isto não é só música, é mais, é como um bálsamo curativo!”  Esse êxtase e bem-estar foi realmente surpreendente. Sou muito mais o tipo “música pop” de pessoa. Esse entrelaçamento me trouxe para mais perto do mundo do clássico de uma forma fantástica.

Mas há mais!  Uma pesquisa rápida na internet… e achei a Associação Americana de Musico Terapia que deu substância ao que eu estava sentindo: Sim, a música pode realmente curar! De acordo com o site  “musico terapia pode atender a uma variedade de objetivos da saúde metal e física. Pode promover o bem estar, gerenciar o estresse, aliviar dores, melhorar a memória, melhorar a comunicação e etc”.

Lembrei de Davi e Saul. O texto bíblico diz: “Davi tomava a harpa… …então (o rei) Saul sentia alívio (de suas dores)” 1Samuel 16

Mais tarde, perguntei a própria Júlia Tygel sobre isso e ela disse: “.. É isso mesmo, existem vários estudos e conferências nesta área… é tudo tão interessante quanto ainda misterioso” e acrescentou “Todo o esforço que fazemos (compondo arranjos, por exemplo), utilizando ferramentas racionais ou mesmo intuitivas, é, de alguma forma, para chegar mais profundo em cada pessoa …”

Bem, meu caro amigo, de volta ao mundo dos mortais… se você estiver em NY agora recomendo fortemente que você siga Júlia Tygel via MySpace e se tiver a oportunidade de ir ouvir o seu trabalho… faça isso. O melhor da música popular brasileira entremeada com clássico é um “must see”.

Depois, então, volte aqui e nos deixe saber como você se sentiu e sente, ok?