Ciclovias Maravilhosas

Foi inaugurada no Rio de Janeiro (17/01) a ciclovia da avenida Niemeyer, conectando os bairros do Leblon e São Conrado, na zona sul carioca. Com 3,9 km de extensão e praticamente toda a estrutura suspensa à beira-mar, a ciclovia foi batizada oficialmente de Ciclovia Tim Maia, em homenagem ao músico que cantava “Do Leme ao Pontal, não há nada igual” em referência às praias da zona sul e zona oeste da cidade. A via já vinha sendo usada meses antes da inauguração, mesmo incompleta.

“Estamos trabalhando para alcançar a meta de 450 km de estrutura cicloviária ainda este ano” – Altamirando Moraes, Subsecretário de Meio Ambiente. A pedalada inaugural contou com a presença do prefeito Eduardo Paes…

Leia mais http://vadebike.org

– Esta notícia é muito boa!

Mas quem é aqui de São Paulo tem uma ciclovia panorâmica natural de mais de +/- 30 km pronta para utilizar.
Você sabia disto?

Linda, plana, perfeita e, na temporada, bem segura.

Da Península, na praia da Enseada, no Guarujá, até Praia Grande, passando por Santos e São Vicente, podemos fazer um passeio a beira mar maravilho. Leia mais: Vem Pedalar na Baixada Paulista!

Aparecida, Carlos e Renata
Aparecida, Carlos e Renata, ida e volta, um passeio de 57 km.
Advertisements

Vem Pedalar na Baixada!

Durante a temporada – no Guarujá, Santos e São Vicente – o número de policiais espalhados pelas prais é enorme. Isso traz segurança para curtirmos um passeio de bicicleta muito gostoso.

Tudo plano, 90% dele via ciclovias. Você pode sair do Guarujá e ir até São Vicente ou Praia Grande, passando por Santos e retornar sem maiores problemas. Uma delícia. A ponte pênsil foi reinaugurada!

Se seu passeio começar, por exemplo, na Península da Enseada, no Guarujá, você vai pedalar os primeiros 8/9 kms vendo a praia da Enseada, depois pode cruzar o centro pela Av. Leomil, passar pelo Sobre as Ondas no final da Pitangueiras. Neste ponto vai ter uma bela vista da praia das Astúrias e de lá segue para a balsa pela Av. dos Caiçaras, para cruzar para Santos. (bicicletas e ciclistas não pagam para atravessar)

pedalgjasv
Você cruzou a balsa, então está na Ponta da Praia e seguindo pela ciclovia vai até o final no Emissário, que é a divisa com São Vicente. A passagem por Santos é uma beleza, 100% via ciclovia, com muitos jardins, quiosques para se alimentar e fazer um descanso, e claro, a praia sempre ali do lado.

Nesta parte do passeio você pode aproveitar e visitar o Aquario, o Orquidário, o próprio Emissário, subir o morro da Asa Delta, ou seguir em frente e ir em S. Vicente visitar a Ponte Pênsil e a Biquinha. Dá para fazer as quarto coisas.

Ida e volta vai render uns 40/50 km, vale mesmo a pena descer a Serra e experimentar. Dá para descer de ônibus.

 

wpid-dsc_1351.jpgUma sugestão, desça de ônibus com as bicicletas na mala. Do Jabaquara vá para o Guarujá e de lá vá até São Vicente e volte para Sampa de Santos. Vai dar uns 25/30 km e será um pedal, além de tudo, ecológico. 🙂

Pena que só dá para recomendar isso na a temporada. Fora dela só pedalamos em grupos, de preferencia grandes e olhe lá… Você pode pesquisar os grupos de ciclistas de Santos e região, tem vários, entre em contato, junte-se a um deles em pedais pelas cidades, para Bertioga, Mongaguá, pelos morros e praias, etc.

Pedale!
recomendo: https://carlosrix.wordpress.com/2015/06/10/bici/

Ciclismo – Cultura, Saúde e Lazer

Pedalar é algo simples, mas nos últimos anos virou ação ecológica, marca de cidadania e até bandeira política. A bicicleta deixou de ser só brinquedo para virar meio de transporte. Esse processo foi muito rápido, como tudo hoje em dia. Precisamos aprender mais, saber nos portar no transito – tanto por segurança como por etiqueta.

Aqui no Guarujá, já foram feitos projetos ligados as escolas públicas para iniciar esse aprendizado logo cedo. “No ano passado foi criado o Prêmio Cidadão do Trânsito. A premiação foi em Setembro/2014, para diversas categorias conforme a serie dos alunos da rede municipal. Excelente exemplo, afinal, o aluno de hoje é o cidadão de amanhã também no trânsito.

O ciclismo é um a prática esportiva relativamente barata e, em tese, qualquer pessoa pode pedalar. A modalidade pode ser praticada em toda parte e a qualquer hora por homens, mulheres, jovens e crianças. Basta que a pessoa esteja saudável, em condições físicas para a prática esportiva. “Pessoas saudáveis com alguma deficiência também podem pedalar em bicicletas adaptadas.” Afirma o jornalista João Lage ligado ao site Gente Ciente que trabalha serviço de pessoas com deficiência. Como vemos os benefícios do ciclismo para todos praticantes são muitos e significativos.

Elizário dos Santos, o motorzinho – Santos – SP

O Médico, nefrologista e geriatra, Dr. Salvador Ovidio de Arruda Neto, “a atividade física, deve sempre ser estimulada, em especial para quem já está chegando na terceira idade. Claro, de acordo com as possibilidades individuais. Por exemplo, quem tem doenças degenerativas osteo articulares, condição cardio respiratória, sobrepeso, etc precisa ter cuidado… a “dose” tem que ser dimensionada adequadamente, tudo dependerá da condição clinica existente no inicio do condicionamento físico. Para observar estes critérios e possibilidades, obrigatoriamente toda e qualquer atividade física deve ser precedida de avaliação médica, laboratorial, capacidade cardio-pulmonar, radiologias, etc. Qualquer orientação quanto a modalidade partirá deste fundamento, a avaliação médica. Em resumo: toda atividade física é bem vinda para todas idades em especial na terceira idade onde esta atividade além dos benefícios físicos evidentes ainda promove melhora da auto estima e a alegria de viver bem.”

Leonardo Blumenfeld, aposentado, ex-funcionário da Prefeitura de Cubatão

Pedalar é uma alegria e é mais eficiente que o Facebook.

Vários aposentados encontram no ciclismo um passatempo interessante. Ele permite criar novas amizades, aprofundar relacionamentos antigos, dá oportunidade para compartilhar experiências e aprender coisas novas também. Você pode ter pedalado muito sozinho antes, mas hoje, em parte por conta da violência, o número de grupos é grande e vai dar chance de você ter uma nova alegria. Intitulados Pedais, Clubes, Grupos X ou Y é fácil procurar e achar vários deles nas mídias sociais. E é chegar, se apresentar e sair junto para pedalar que as amizades começam.

Que maravilha de experiencia! Quando você precisar usar o carro, leve dentro de você o ciclista, leva o cidadão, a calma e a compreensão de que no transito quem mata não são os veículos, mas as pessoas. O ciclista é o cidadão que se colocou em uma situação, queira ou não, mais frágil e viu. Viu que dá para fazer diferente, ser solidário, dar passagem, esperar, compreender, ser companheiro. O nosso prazer, pedalar, é uma escola de cidadania e o que aprendemos precisamos levar conosco a toda parte. Da bici para o carro, nunca o contrário.

O mais importante é aproveitar todo esse movimento. Que produz vitórias, alegrias, conquistas e nos humanizarmos cada vez mais, cada vez mais cidadania, apreço e resiliência. Temos que sair do carro e deixar lá as neuras que nele desenvolvemos com a pressa, com o passar do tempo. Começar de novo pedalando, como já disse uma vez faz algum tempo no FB, devagar prendemos mais. Aprendi no meu trabalho que água tem que passar bem de vagar no refil do purificador para sair do outro lado pura, neste trajeto ela vai interagindo com as camadas, os componentes, do refil trocando impureza por pureza. Somos como a água, pedalar é sempre mais lento, podemos chegar melhores no nosso destino, interagindo com a vida, os amigos e o meio.

A seguir cenas comuns nos pedais e clubes:

Concentração para o Pedal Terror que reúne pessoas de Guarujá e Santos, vez por outra, visitantes, até estrangeiros!
Balsa Guarujá-Bertioga – pessoal da baixada fazendo escolta para um casal de Argentinos https://www.facebook.com/noepedretti
Edvaldo Soares, de Vicente de Carvalho, no Guarujá, sempre pronto para fazer um socorro. Na ultima viagem parou para ajudar um ciclista local em dificuldades com o pneu furado, o rapaz iria ter que caminhar 3 ou 4 km para chegar a uma bicicletária.

Meninos e meninas pedalam juntos com muito respeito, cuidado e carinho.