Augusto Cury – entrevista

Por Antonio Carlos Rix

Carlos Rix:
Qual é a maior dor? Onde dói mais a educação do Brasil hoje? O que mais precisa?

acury
Durante a Bett Brasil Educar 2015

Augusto Cury:
Eu sou publicado em mais de 70 países e para mim, não apenas a educação do Brasil, mas de toda civilização moderna, está doente, formando pessoas doentes para uma sociedade doente. Porque nós tomamos o caminho contraído errado, nós bombardeamos o córtex cerebral das crianças, adolescentes e universitários com milhões de dados sobre o mundo de fora, ensinando matemática, física, química e competências profissionais nas universidades mas não os ensinamos a conhecer o mais complexo de todos os planetas, o planeta chamado “mente humana”.

Nós temos que passar da era da informação para a era do “eu como gestor da mente humana” e para desenvolver o “eu como gestor da mente humana” é fundamental não apenas ensinar as funções cognitivas como raciocínio, memória, dedução, indução, síntese, pensamento lógico.

Precisamos desenvolver uma pauta para ensinar as funções não cognitivas, quais são: pensar antes de reagir, colocar-se no lugar do outro, trabalhar perdas e frustrações, resiliência, filtrar estímulos estressantes, proteger a emoção, gerenciar ansiedade entre inúmeras outras funções não cognitivas, pensar como humanidade.

Ninguém é digno da maturidade e da saúde emocional se apenas pensa como grupo social, religioso, intelectual e político. É necessário pensarmos como família humana, irmos além, tocar a essência. Não há diferenças nos bastidores da mente entre palestinos e judeus, entre hétero e homossexuais, entre celebridades e anônimos, entre intelectuais e iletrados.

Até porque – acabei de falar numa entrevista de um grande jornal televisivo – mesmo o mendigo que perambula pelas ruas e que tem delírios que o mundo conspira contra ele, ele é tão complexo na construção de pensamentos como Einstein que produziu a Teoria da Relatividade.

Quando nós estudamos o processo de construção de pensamento, que é a última fronteira da ciência, e com muita humildade tive o privilégio de desenvolver uma das poucas teorias mundiais, durante 30 anos, sobre a natureza dos pensamentos, os fenômenos inconscientes que os constroem em milésimos de segundos e os tipos de pensamentos e o “eu como gestor da mente humana” estou claro que a nossa espécie beira as raias da inviabilidade porque não desenvolveu as funções não cognitivas mais importantes para formarmos mentes livres com uma emoção saudável.

Por isso reitero e finalizo que para plateias de juízes, no Congresso Nacional, no Supremo Tribunal Federal, em países que eu tenho dado conferências, na Romênia, na Sérvia, na Bulgária, nos Estados Unidos, na Europa… nunca nas sociedades livres houve tantos escravos num único lugar que é inadmissível sermos prisioneiros dentro de si mesmo. A população carcerária do mundo no máximo é 1% na sociedade democrática mas, como digo nos meus livros Vendedor de Sonho, Código da Inteligência e Felicidade Roubada, a população carcerária no território da emoção, ela atinge 99%.

Então fisicamente 1% está preso em presídios, em masmorras e 99% livre mas, emocionalmente 99% estão presos, encarcerados na emoção e no máximo 1% livre. Por isso nós temos que mudar a educação da era da informação para a era do eu como líder do teatro da mente humana como gestor da emoção!

————

Parte de um artigo colaborativo com jornalistas de vários países em Inglês, a integra aqui.

Meus agradecimentos a Renata Lemos que gentilmente transcreveu o vídeo.

——

Veja em vídeo:

————————-

Tenha sua escola, faça a diferença:

franquia

À Flor da Pele

Exposição À Flor da Pele evidencia as diferentes representações do universo feminino

Mais de 150 imagens de fotógrafos que marcaram o modo de ver e registrar o universo feminino do Brasil nas últimas décadas estão reunidas na exposição À FLOR DA PELE, com curadoria de Bob Wolfenson, Helio Hara e Ricardo Feldman, que será inaugurada dia 21 de outubro (quarta-feira) e estará aberta ao público de 22 de outubro a 20 de novembro na PRAÇA DAS ARTES, em São Paulo. A mostra, centrada nas diferentes representações do universo feminino, está dividida em sete módulos, que agrupam referencias recorrentes nas imagens: DIVAS, FLAGRANTES (precursores dos paparazzi) FANTASIA, FETICHE, INTRAMUROS (fotos que remetem ao tema “família”), LIMITES, PROJETORES (homens que exaltaram pela arte o universo feminino).

Fotos de nomes como Gui Paganini, Murillo Meireles e André Vainer convivem com imagens que já se tornaram clássicos feitas por Luiz Carlos Barreto, Marisa Alvarez Lima, Antonio Guerreiro, Paulo Garcez, Bubby Costa, Sérgio Jorge e Zé Antonio Moraes. Na exposição, baseada no acervo da revista s/n°, editada por Wolfenson e Hara, e que este ano completa uma década, estão ainda trabalhos de Rochelle Costi, OsGemeos e Irmãos Campana.

This slideshow requires JavaScript.

Na mostra, estão retratos de Giselle Bündchen, Costanza Pascolato, Leticia Sabatella, Fernanda Young, Fernanda Montenegro, Leila Diniz, Fernanda Torres, Fernanda Lima, Camila Pitanga e Cynthia Howlett (as quatro últimas fotografadas durante a gravidez), estilistas históricos como Dener e Clodovil, além de divas como Marlene Dietrich e Marylin Monroe.

“O ponto de partida foi o modo avião. Metaforicamente, é o instante em que, desconectados temporariamente desse fluxo, podemos desfrutar do tempo do reset: instantes em que vivemos plenamente a imaginação e a fantasia. A pausa. A partir daí, levantamos a seguinte pergunta: como é representado o universo feminino quando há completa liberdade autoral?”, dizem os curadores.

Na sala LIMITE, por exemplo, o visitante se depara com 4 imagens da mesma mulher. Cada uma com uma sutil diferença, propositalmente feita na imagem. O ensaio de Wolfenson, convida as pessoas a pensarem nos limites na era em que cirurgias, técnicas e tecnologia permitem manipular o corpo e as formas, criando-se aquilo que cada um deseja ser. As fotos são um desafio para o espectador: qual das mulheres é a real, qual foi manipulada?

À FLOR DA PELE, revisita imagens reunidas pela publicação s/n°, autoral, e que por isso proporciona o reset. Imagens resgatadas de acervos de grandes fotógrafos muitas vezes pouco conhecidos pelo público contemporâneo e fotos criadas a partir de convites da revista compõem a exposição.

A expografia é dos autores do projeto arquitetônico da Praça das Artes – Marcelo Ferraz e Francisco Fanucci (Brasil Arquitetura), e pretende criar um diálogo franco entre a forte arquitetura do edifício do antigo Conservatório Dramático Musical e as fotografias de ‘À Flor da Pele”. Esse diálogo pode ser lido na delicada montagem de elementos; na sinuosidade das cortinas de voil, sugerindo penumbra e transparência, que ora revelam, ora aumentam as nuances do universo feminino, mote central da mostra.”

A exposição À FLOR DA PELE é patrocinada pela C&A, por meio da lei de incentivo estadual de cultura – PROAC.

Serviço

A Exposição À Flor da Pele
Curadoria Bob Wolfenson, Helio Hara e Ricardo Feldman
Abertura: 21 DE OUTUBRO DE 2015
Das 19h Às 22h30min
Em exibição de 22 de outubro a 20 de novembro de 2015
Visitação de segunda a sábado de 10h as 20h, domingos de 10h as 18h.
Entrada franca
Praça Das Artes – av. São João, 281- centro – São Paulo
Próximo às estações Anhangabaú e República do metrô
Sugerimos ir de táxi
http://theatromunicipal.org.br/espaco/praca-das-artes/

Ficha técnica da exposição

Realização: Livre e S/N
Curadoria: Bob Wolfenson, Helio Hara e Ricardo Feldman
Produção executiva: Patrícia K.D. Godoy
Concepção museográfica: Brasil Arquitetura_Francisco Fanucci e
Marcelo Ferraz

Sobre os curadores

Ricardo Feldman é sócio fundador da Livre, editora e produtora de conteúdo e cultura. Dirigiu diversos projetos culturais, entre eles a exposição Flávio de Carvalho Desveste a Moda da Cabeça aos Pés realizada no MUBE – SP e MAM- RJ; os livros Sapato de Mulher, um Passeio pelo Imaginário das Brasileiras; 30 anos de Moda no Brasil; Auditório Ibirapuera, o Projeto Esquecido de Oscar Niemeyer, entre outros. É publisher da Revista s/n e conselheiro do Theatro São Pedro, Orquestra Jazz Sinfônica e Banda Sinfônica de São Paulo.

Bob Wolfenson iniciou a carreira há 35 anos. Seu trabalho transita pela arte, pela publicidade e pela moda. Entre suas mostras individuais estão séries expostas no Museu de Arte Brasileira – FAAP, no Masp e no Centro Cultural Maria Antônia. Sua obra está presente nos livros Belvedere”, Encadernação Dourada – Antifachada”, “A Caminho do Mar”, “Cinépolis” e “Apreensões”. Suas fotos integram coleçõese como as do MASP, Itaú Cultural, Museu de Arte Brasileira-FAAP, MAM-SP. Em 2001 criou com o jornalista Helio Hara a revista de fotografia e arte s/n°, dando início a perfis que resgatam grandes fotógrafos brasileiros. Foi curador da mostra de Otto Stupakoff em São Paulo e da exposição “Olho de gato”, na Mostra SP de Fotografia, em homenagem a Bubby Costa.

Helio Hara é jornalista e, desde 2001, edita com Bob Wolfenson a revista de fotografia e arte s/n°. Desenvolveu conteúdos culturais para, entre outros, CCBB, Oi Futuro, TV Globo e Videobrasil/SESC-SP. Dirigiu a area de comunicação e marketing da Editora Cosac Naify. Foi curador da exposição “Olho de gato”, na Mostra SP de Fotografia, homenagem a Bubby Costa, e da mostra “O Japão daqui”, no Museu da Língua Portuguesa. Há mais de 10 anos trabalha no resgate de acervos de grandes fotógrafos pouco conhecidos pelas novas gerações. Entre eles, Otto Stupakoff (é dele um dos textos no livro sobre o fotógrafo editado pela Cosac Naify), Miguel Jorge, Marisa Alvarez Lima e Paulo Garcez.

PRAÇA DAS ARTES

A Praça das Artes é um complexo cultural no centro de São Paulo que promove apresentações musicais, exposições, peças teatrais, programações de cultura popular culturais, além de abrigar os corpos artísticos do Theatro Municipal de São Paulo e ser sede da Escola Municipal de Música, da Escola de Dança de São Paulo e da administração da Fundação Theatro Municipal. Seu espaço abriga também a Orquestra Experimental de Repertório, o Coral Paulistano e o Quarteto de Cordas da Cidade de São Paulo, que tem a Sala do Conservatório como sede. A Praça das Artes ocupa uma área de 29 mil m² e teve a primeira parte de seu projeto inaugurada em dezembro de 2012, é um ponto central da revitalização cultural do centro histórico de São Paulo e resultado de uma parceria entre a Secretaria da Cultura e a Brasil Arquitetura, de Francisco Fanucci e Marcelo Ferraz. Um dos pontos centrais do projeto foi o restauro do antigo prédio do Conservatório Dramático e Musical. Inaugurado em 1896 como uma loja de pianos, em 1899 tornou-se o luxuoso Hotel Joachim’s, para se transformar em 1909 na sede do Conservatório. Hoje, a antiga sede transformou-se em uma sala de concerto de câmara e uma sala de exposições. Além da temporada de apresentações e exposições, a Praça das Artes é parceira de eventos como a São Paulo Fashion Week, a Mostra Internacional de Cinema, e outros importantes eventos do calendário cultural de São Paulo. A Praça das Artes recebeu o Prêmio APCA de Melhor Obra de Arquitetura de 2012, o prêmio de Edifício do Ano de 2013 pelo Icon Awards, realizado pela Icon Magazine, e foi finalista dos ‘Projetos Impressionantes das Américas’, da Mies Crown Hall Americas 2014.

Fotos: http://theatromunicipal.org.br/espaco/praca-das-artes/#jp-carousel-646

Proponente Realizador do Projeto: Livre Conteúdo e Cultura / Editora Livre
contato
Rua Cristiano Viana, 650 São Paulo CEP 05411-001
Telefone 55 11 3038 3939
www.livreconteudo.com.br

Sobre a C&A

Líder do mercado de varejo de moda brasileiro, no qual está presente desde 1976, a C&A é uma multinacional de origem holandesa fundada em 1841 pelos irmãos Clemens e August, cujas iniciais deram origem ao nome da empresa. Atualmente a rede possui mais de 280 lojas no País, em 25 Estados e no Distrito Federal. De maneira inovadora, a C&A atua para oferecer produtos e informação de moda, por meio de um intenso processo de pesquisa e entendimento das suas clientes brasileiras. Um exemplo é a plataforma C&A Collections, que traz coleções exclusivas em parcerias com estilistas e grifes nacionais e internacionais.

A empresa é pioneira também em ações socioambientais, recentemente organizadas em torno de sua Plataforma de Sustentabilidade. É a única rede do País que publica seus indicadores de sustentabilidade segundo o padrão GRI, desde 2010; a primeira do varejo de moda a inaugurar uma Loja Eco, com operações planejadas para ecoeficiência e certificada com o selo Leed, do Conselho de Construção Sustentável dos EUA (USGBC). Além disso, por meio de uma empresa autônoma, a Organização de Serviço para Gestão de Auditorias de Conformidade (Socam), a rede tornou-se a primeira do setor a auditar a cadeia produtiva, monitorando padrões de negócios socialmente responsáveis. O compromisso com o desenvolvimento das condições de trabalho em seus fornecedores foi expresso publicamente em 2010, quando foi a primeira empresa a assinar o Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo.

Acompanhe a C&A:
Sala de Imprensa: www.cea.com.br/saladeimprensa
Site: www.cea.com.br

Ciclismo – Cultura, Saúde e Lazer

Pedalar é algo simples, mas nos últimos anos virou ação ecológica, marca de cidadania e até bandeira política. A bicicleta deixou de ser só brinquedo para virar meio de transporte. Esse processo foi muito rápido, como tudo hoje em dia. Precisamos aprender mais, saber nos portar no transito – tanto por segurança como por etiqueta.

Aqui no Guarujá, já foram feitos projetos ligados as escolas públicas para iniciar esse aprendizado logo cedo. “No ano passado foi criado o Prêmio Cidadão do Trânsito. A premiação foi em Setembro/2014, para diversas categorias conforme a serie dos alunos da rede municipal. Excelente exemplo, afinal, o aluno de hoje é o cidadão de amanhã também no trânsito.

O ciclismo é um a prática esportiva relativamente barata e, em tese, qualquer pessoa pode pedalar. A modalidade pode ser praticada em toda parte e a qualquer hora por homens, mulheres, jovens e crianças. Basta que a pessoa esteja saudável, em condições físicas para a prática esportiva. “Pessoas saudáveis com alguma deficiência também podem pedalar em bicicletas adaptadas.” Afirma o jornalista João Lage ligado ao site Gente Ciente que trabalha serviço de pessoas com deficiência. Como vemos os benefícios do ciclismo para todos praticantes são muitos e significativos.

Elizário dos Santos, o motorzinho – Santos – SP

O Médico, nefrologista e geriatra, Dr. Salvador Ovidio de Arruda Neto, “a atividade física, deve sempre ser estimulada, em especial para quem já está chegando na terceira idade. Claro, de acordo com as possibilidades individuais. Por exemplo, quem tem doenças degenerativas osteo articulares, condição cardio respiratória, sobrepeso, etc precisa ter cuidado… a “dose” tem que ser dimensionada adequadamente, tudo dependerá da condição clinica existente no inicio do condicionamento físico. Para observar estes critérios e possibilidades, obrigatoriamente toda e qualquer atividade física deve ser precedida de avaliação médica, laboratorial, capacidade cardio-pulmonar, radiologias, etc. Qualquer orientação quanto a modalidade partirá deste fundamento, a avaliação médica. Em resumo: toda atividade física é bem vinda para todas idades em especial na terceira idade onde esta atividade além dos benefícios físicos evidentes ainda promove melhora da auto estima e a alegria de viver bem.”

Leonardo Blumenfeld, aposentado, ex-funcionário da Prefeitura de Cubatão

Pedalar é uma alegria e é mais eficiente que o Facebook.

Vários aposentados encontram no ciclismo um passatempo interessante. Ele permite criar novas amizades, aprofundar relacionamentos antigos, dá oportunidade para compartilhar experiências e aprender coisas novas também. Você pode ter pedalado muito sozinho antes, mas hoje, em parte por conta da violência, o número de grupos é grande e vai dar chance de você ter uma nova alegria. Intitulados Pedais, Clubes, Grupos X ou Y é fácil procurar e achar vários deles nas mídias sociais. E é chegar, se apresentar e sair junto para pedalar que as amizades começam.

Que maravilha de experiencia! Quando você precisar usar o carro, leve dentro de você o ciclista, leva o cidadão, a calma e a compreensão de que no transito quem mata não são os veículos, mas as pessoas. O ciclista é o cidadão que se colocou em uma situação, queira ou não, mais frágil e viu. Viu que dá para fazer diferente, ser solidário, dar passagem, esperar, compreender, ser companheiro. O nosso prazer, pedalar, é uma escola de cidadania e o que aprendemos precisamos levar conosco a toda parte. Da bici para o carro, nunca o contrário.

O mais importante é aproveitar todo esse movimento. Que produz vitórias, alegrias, conquistas e nos humanizarmos cada vez mais, cada vez mais cidadania, apreço e resiliência. Temos que sair do carro e deixar lá as neuras que nele desenvolvemos com a pressa, com o passar do tempo. Começar de novo pedalando, como já disse uma vez faz algum tempo no FB, devagar prendemos mais. Aprendi no meu trabalho que água tem que passar bem de vagar no refil do purificador para sair do outro lado pura, neste trajeto ela vai interagindo com as camadas, os componentes, do refil trocando impureza por pureza. Somos como a água, pedalar é sempre mais lento, podemos chegar melhores no nosso destino, interagindo com a vida, os amigos e o meio.

A seguir cenas comuns nos pedais e clubes:

Concentração para o Pedal Terror que reúne pessoas de Guarujá e Santos, vez por outra, visitantes, até estrangeiros!
Balsa Guarujá-Bertioga – pessoal da baixada fazendo escolta para um casal de Argentinos https://www.facebook.com/noepedretti
Edvaldo Soares, de Vicente de Carvalho, no Guarujá, sempre pronto para fazer um socorro. Na ultima viagem parou para ajudar um ciclista local em dificuldades com o pneu furado, o rapaz iria ter que caminhar 3 ou 4 km para chegar a uma bicicletária.

Meninos e meninas pedalam juntos com muito respeito, cuidado e carinho.

World Formal Education Problem

​Last May (20, 21,22, 23rd) another edition of Bett Brazil Educar took place in São Paulo, Brazil. Educar is one of the most important education event in Latin America today. For four days over 18,000 visitors from all over the contry could closely follow the news and educational technological trends presented by approximately 250 exhibitors.

The event is a meeting point for educators, school adms, managers, engineers and public officials. Bett Educar promoted access to more than 165 activities that took place simultaneously in 11 auditoriums. The training activities attracted about 12,000 participants.

As a CJ and a teacher I was at home. From the first to the second day, I decided to consult people I know from many different countries about problems in education. “Where does it hurt”, I asked. “If you had to name a major problem in your county, concerning education, what would it be?

Check the answers:

Ana Carmen Foschini – Brazil.  To invest in the teacher´s formation and carrier, in order to make it more attractive and respected.

Claire Ulrich – France.  Our challenge is racial. Integrating pupils of African and Arabic descent. Islam is becoming a problem in schools too.  Islam is becoming a problem because education is based in France on a strict secular rule. The problem affects special diets, special religious festivals, etc. France is not equipped with its secular rule to deal with religious demands in the public space such a the school.

Jean K. Min – Suth Korea.  Hi there..For a country long accustomed to the universal access to basic education, the increasing polarization of the education market where only wealthy few enjoy premium service while the rest of students are increasingly deprived of an opportunity to enjoy higher education is the biggest issue currently. One survey shows that near 40% of the freshmen students of Seoul National University, the top university in South Korea, was from Gangnam, the most affluent corner of the country.

Rajen Nair – India.  Education that makes you think, provokes you to ask questions, makes us in inquisitive and less depended on rote learning to pass.

Retty N. Hakim – Indonesia.  Personally, I think the biggest challenge is to keep growing or developing our younger generation into the international standard while keeping the local wisdom such as respecting elders, helping each other, etc. The television, and the internet has delivered the western values, which is sometimes taken without filtering. Drugs is one of those traps that can ruin our youngsters.

Tim Weaver – USA.  Easy. Total control of the primary/secondard (before college) of the education system by the teach unions. Stifles new ideas and competition and their main concern are the teachers and not the kids. Need more charter schools.

I also asked Dr. Agusto Cury, a Brazilian physician, psychiatrist, psychotherapist and writer. He developed the Multifocal Theory, about the functioning of the mind and the construction process of thought.

The following is a transcript of an exclusive interview he granted during Bett Educar show where he was as one of the main panelist.

“I have been published in more than 70 countries and for me, not just the education in Brazil but of all modern civilization is sick, forming sick people for a sick society. Because we have chosen the wrong path, we bombed the cerebral cortex of children, teenagers and college students with millions of data about the outside world, teaching mathematics, physics, chemistry and professional skills in universities but we did not teach them to meet the most complex all the planets, the planet called “human mind”.

We have to move from the Information Age to the era of the “I as a manager of the human mind” and to develop the “I as a manager of the human mind” is essential not only to teach the cognitive functions such as thinking, memory, deduction, induction, synthesis , logical thinking.

We need to develop an agenda to teach non-cognitive functions, which are: think before reacting, put yourself in someone else´s shoes, work out loss and frustrations, resilience, filter stressful stimuli, protect the emotion, manage anxiety among many other functions not cognitive, think as humans.

No one is worthy of maturity and emotional health if he or she is just think as a social group, religious, intellectual and political. We need to think as a human family, go beyond, touch the essence. There are no differences in the backstage of our minds between Palestinians and Jews, hetero and homosexuals, celebrities and anonymous, intellectuals and illiterate.

Especially because as just I spoke on an interview for a large television news CO that even the beggar who roams the streets and has delusions that the world conspires against him, he is as complex in the process of his thoughts as Einstein who produced the theory of relativity.

When we study thought construction process, which is the last frontier of science, and with great humility, I have had the privilege of developing one of the few global theories, for 30 years about the nature of thoughts, unconscious phenomena that build on milliseconds and the kinds of thoughts and the “I as a manager of the human mind” It is clear to me that our species staring at the brink of impossibility because not developed non-cognitive functions most important to free minds we form with a healthy emotion.

Therefore, I reiterate, to conclude that for audiences of judges, the National Congress, the Supreme Court, in countries that I have given lectures, Romania, Serbia, Bulgaria, the United States, Europe … never in free societies there were so many slaves in one place that is inadmissible be prisoners within yourself.

The prison population in the world is no more than 1% in democratic society but, as I say in my books “Seller of Dreams”, “Intelligence and Happiness”, “The Stolen Code”, the prison population in the territory of emotion reaches 99%. Then physically 1% are trapped in prisons, in dungeons and 99% free but 99% are emotionally arrested, imprisoned on emotion and at most 1% free. So we have to change the education of the information age to the era of the self as leader of the theater of the human mind as emotion manager!”

EDUCAR 2015 – A escola dos nossos sonhos: horizontes possíveis, desafios imediatos

Terminou no último sábado (23) mais uma edição da Bett Brasil Educar, maior evento de educação da América Latina. Durante quatro dias mais de 18 mil visitantes de diversas localidades puderam acompanhar de perto as novidades em soluções e tendências educacionais e tecnológicas apresentadas por aproximadamente 250 expositores.

Na abertura sindicalistas ​e professores da rede pública ​aproveitaram o ​momento para fazer um protesto pacífico contra o governo:

​Isso não diminuiu o brilho do evento, que é o ponto de encontro anual de educadores, mantenedores de escolas, diretores, coordenadores e representantes públicos e promoveu o acesso a mais de 165 atividades, que aconteceram simultaneamente em 11 auditórios. As atividades de capacitação atraíram cerca de 12 mil congressistas.​ A ausência da mídia majoritária em geral foi notória. Educação não é pauta?!, fica a pergunta. ​

Nomes relevantes do cenário educacional brasileiro e do exterior falaram sobre Alfabetização, Comunicação e Letramento; Avaliação na Educação; Currículo na Educação; Educação da Infância; Educação Integral; Educação e Tecnologia; Educação Profissional e Tecnológica; Formação Profissional e Metodologia de Ensino; Gestão e Políticas Educacionais.

​Em meio a tanta tecnologia e informatização a empresa Supera apresentou tecnologia milenar remodelada para tratar o Déficit de Atenção com Hiperatividade (DTH):

Em termos de aplicativos os professores devem conferir a  proposta da empresa Controller, um APP colaborativo​ facilitar o seu trabalho:

​​

Pela primeira vez o evento dedicou um espaço exclusivo para startups em educação e tecnologia, por meio da Bett Startups, num ambiente propício para troca de experiências e networking altamente qualificado. Classapp, Diaryium, Elefante Letrado, Inédita, QG do Enem, Missão Universitário, Mupi e Kid Reports foram as empresas participantes.

Solução interessante para grandes cidades ficou por conta da solução “filho sem fila”. ​Com o sistema, pais de alunos dos colégios participantes tem mais agilidade e segurança ao buscar seus filhos. Assim que seu carro entra no perímetro demarcado pela escola basta acionar um botão no smartphone para que seu filho/a se prepare para sair. No mesmo estande outra empresa oferece Monterjoy um game para motivar crianças a cumprir com os deveres escolares. Aproveitar tecnologia para segurança e melhoria do ensino é importantíssimo. A defasagem entre o que as crianças tem acesso em casa e o que recebem na escola ainda é grande.

​Já o Espaço do Saber, propiciou um ambiente de compartilhamento das melhores práticas dos principais líderes do setor educacional. No dia 20 de maio houve uma programação voltada para as Escolas Privadas e Ensino Superior, por meio de uma série de palestras focadas em gestão. Nomes como Tatiana Portella, Secretária da Câmara de Educação Básica na ANEC; Renato Júdice, Diretor de Educação da Geekie; Valdenice Minatel, Coordenadora de Tecnologia Educacional no Colégio Dante Alighieri; Marcelo de Freitas Lopes, Coordenador de Tecnologia Educacional Weducation; Nick Thody, Head Teacher; Darren Burchall, Head of ICT Learning & Teaching; Amábile Pacios, Presidente da FENEP (Federação Nacional das Escolas Particulares); Rodrigo Capelato, Diretor Executivo do Semesp (Sindicato das Mantenedoras de Ensino Superior) e Ricardo Holz, Presidente da Associação Brasileira de Estudantes de Educação a Distância compartilharam suas experiências. No dia 21 a programação foi exclusiva para membros do CONSED (Conselho Nacional de Secretários de Educação) e no dia 22 para a UNDIME/SP (União dos Dirigentes Municipais de Educação). Esse Espaço contou com o patrocínio da Digital Pages, Mindlab, Evobooks, XD Education, Google for Education, LF Educacional, Portabilis, Sistema Etapa e Cisco/MTEL.

O ponto alto do evento, e na verdade, até um contra ponto a muitas das propostas de escolarização/educação​ oferecidas na feira,​ foi a palestra do Dr. Augusto Cury, que ele resumiu para nós com exclusividade seu conteúdo no vídeo seguinte:

>

Nota fundamental: Agradecemos o trabalho de todos os assessores de imprensa e, em especial, a Leonardo Souza da assessoria do próprio evento por todos os releases e informações compartilhadas.

India – Falu Shah, o velho e o novo

faluA música indiana tem muitos aspectos interessantes, chama a atenção a capacidade que tem de ser moderna e ainda assim manter uma carga espiritual elevada, como se fora um mantra.

Desde de pequeno tudo que vem da India e das Arabias me chama muito a atenção. Sempre tive estas músicas no carro e sempre estudei um pouco. Do Árabe sei o alfabeto, alguns comprimentos e muitas palavras.

Aprender uma língua assim é um exercício delicioso para o cérebro, recomendo.  🙂

Abaixo uma composição com mais de 5 mil anos:

—————

—-

www.h2obrasil.com
Purificar água, é aqui!

Retrato São Paulo

Domingo, 9 de Julho, 2013

Mercadão

São Paulo não acorda…
Claro, não dorme!
São Paulo não pode e nem quer parar.

Lá, a 25 de Março

Domingo dia de descanso, lá estou eu.
Perambulando pelas ruas do centro velho:
a Sé, o Anhangabaú, a São João… que saudade de Paulo Vanzolini.
São Paulo é Vanzolini em essência, pode e faz de tudo.

.

Saí do Metro elétrico e dei de cara com com as fotos da gente de São Paulo nas lentes de Paulo Fridman. Este faz jus ao nome e nos dá, pelas lentes do seu projeto, voz – Liberdade.

Quem é você?
Qual o seu sonho?
E o futuro do Brasil?

O Fridman pergunta e a gente responde.

.

Mais a frente, perto da Rua do Comércio, da Bolsa e do BB, alí naquele miolinho, no meio da rua, um Chines voa bem alto, ele não pode pousar. Então nos leva a uma viagem com os fogos do carnaval da sua terra natal.

.

São Paulo linda, é só você quer.

.

.purific add

famíliapurific